Vacina contra HPV: agora é oficial!

0
122

vacina_hpvUma das principais notícias de 2013 relacionada à saúde é que, a partir do ano que vem, meninas de 9 a 11 anos poderão receber a vacina contra o vírus HPV nas escolas e postos de saúde da rede pública. Para quem ainda não entendeu bem o benefício, o oncologista Dr. Artur Malzyner, consultor científico da Clinonco Clínica de Oncologia Médica e médico do Hospital Israelita Albert Einstein, explica: “A vacinação contra o vírus HPV visa, principalmente, reduzir o risco de as mulheres desenvolverem uma infecção que possa desencadear o câncer de colo de útero. A expectativa é que haja uma grande diminuição no número de casos”. Ele lembra que o HPV não é o único vilão do câncer de colo de útero. “Fatores ligados à imunidade, à genética e ao comportamento sexual parecem influenciar os mecanismos ainda incertos que determinam a doença”, completa. Na prática Segundo o oncologista Dr. Emerson Neves dos Santos, da Clinonco Clínica de Oncologia Médica e do Hospital Professor Edmundo Vasconcelos, há duas vacinas aprovadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa): a quadrivalente, que protege contra o HPV 6, 11, 16 e 18, e a bivalente, contra o 16 e o 18. “Ambas previnem lesões genitais pré-cancerosas de colo do útero, região íntima e o próprio câncer do colo do útero, além de verrugas genitais em homens e mulheres”, conta o especialista. A vacina intramuscular será aplicada em três doses: a segunda, dois meses após a primeira, e a terceira, quatro meses depois da segunda. Em 2014, a imunização deve atingir garotas de 11 a 13 anos e, em 2015, dos 9 aos 11. “Nenhuma das vacinas é capaz de reverter a infecção já estabelecida, daí a importância de imunizar as meninas ainda bem jovens e antes de terem a primeira relação sexual. Depois disso, a possibilidade de exposição ao HPV aumenta exponencialmente, podendo atingir taxas de infecção de até 70% em três anos”, diz o Dr. Artur Malzyner. Vale lembrar que não há estudos científicos que mostrem que a vacina seja eficaz em mulheres que já foram expostas ao vírus.

Fonte: Atmosfera Feminina